Repintura de Brancos Pérola.
Enciclopédia on-line ao seu dispor.

A grande maioria dos pintores reconhece o desafio na repintura de brancos perolados. É necessário grande precisão, caso contrário, é fácil alcançar diferenças de cores visíveis. Kevin Welling, directora de Formação da Axalta Coating Systems no Reino Unido e na Irlanda explica como fazer bem a primeira.

Nos últimos 10 anos, o branco tornou-se uma cor cada vez mais popular na indústria automóvel, conferindo um estilo contemporâneo e de consciência ambiental. Respondendo a tendência, muitos fabricantes lançaram então, novas cores brancas de efeitos especiais, sendo uma delas o Branco Pérola. Estas cores peroladas apresentam duas camadas de base e dá a viatura um efeito de cor cintilante em determinados ângulos. Repintá-los requer um processo complexo de aplicação de múltiplas camadas. Com o objectivo de auxiliar os seus clientes/parceiros a Standox desenvolveu um guia que específica a reparação desta cor.

Dica 1 - Preparação de painéis de teste.

Segundo Welling, o factor crítico da cor branco pérola é a espessura da película e à intensidade resultante das camas de efeito, defendendo, que a utilização de painéis de teste é indispensável para a obtenção de uma repintura irrepreensível.

A produção de três painéis de teste pode ser mais demorada mas tem uma importância vital ao analisar efeitos de pintura. Os três painéis devem apresentar um número diferente e gradual de demãos de efeito, permitindo que cada amostra mostre um efeito diferente, dando uma maior possibilidade de escolha ao pintor do efeito que mais se assemelha e corresponde ao veículo.

Dica 2 - Marque os painéis de teste.

Um passo aparentemente simples, mas que não deve ser esquecido na preparação de painéis de teste, o número de demãos de efeito deve ser anotado na parte de trás do painel, caso contrário o resultado poderá não ser o pretendido.

Dica 3 - Aplicar todas as peças montadas na viatura.

Para uma reparação correta, os profissionais de pintura devem aplicar sempre a cor de base primeiro na área danificada, para atingirem uma boa cobertura e só depois disfarçar para as áreas adjacentes. O disfarce da cor nas áreas adjacentes é essencial, segundo Welling, nunca se deve pintar partes separadamente. Antes da aplicação da demão de efeito é crucial remover poeiras e a pulverização seca, uma vez que todas as impurezas serão visíveis através do revestimento de efeito translúcido.

Dica 4 - Atenção ao número de demãos.

A aplicação da demão de efeito deve ser aplicada de fora para dentro, usando a área disponível sem restrições. Esta etapa no processo de repintura tem de ter o número de demãos determinado anteriormente com a ajuda dos painéis de teste, de forma a alcançar a cor que mais se adequou a viatura e ajudando a obter um bom resultado na repintura de brancos perolados.